Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Tardelli’

A abundância de publicações  na manhã de sexta é algo bissexto, mas acontece. O Fábio também publicou um texto hoje, também sobre o jogo do Inter. Para ler, é só clicar aqui.

Para quem não lembra, na última quarta-feira o Inter eliminou a briosa equipe do União de Rondonópolis da Copa Estrada do Conde 2009, mais conhecida como “do Brasil”, atalho sem pedágio – ainda que de topografia espinhosa e acidentada – para a Libertadores. Escalado por carteiros, cabelereiros, frentistas, padeiros, construtores e profissionais liberais que nas horas vagas se reúnem para algumas peladas, além do ex-jogador e sex symbol, Odvan, capitão da equipe, o União vendeu a preço exorbitante a derrota por 2 a 0. Vagner Tardelli, o árbitro, habitual antagonista de Tcheco nas partidas do Grêmio, não poupou os três zagueiros matrogrossenses, cujas bocas sujas, respectivamente, ofenderam-no de bobo, chato e feio logo nos primeiros minutos. Diante de tamanha barbaridade, Tardelli amarelou-os, o que acarretou na expulsão de Odvan na segunda etapa por coxar o préadolescente argentino D’alessandro.

 

Depois desta pequena resenha gremista e parcial sobre o jogo, esclareço que, eventualmente, eu e o Fábio daremos  nota para os adversários da dupla Grenal. Empresa árdua que inicio agora, avaliando o valente e injustiçado União. O mínimo permitido é 0, 1 e o máximo, 10.

Paulo Sérgio – Foi amarelado aos quinze segundos de jogo. Embora tenha físico de ala direita de campeonato praiano do Quintão, defendeu quase tudo. Quando foi obrigado a jogar com os pés, mostrou que poderia estar, ao menos, de ponta esquerda. Nota 3,1.

Alex Mineiro –  Não comprometeu enquanto o pulmão permitiu. Depois do que correu no Beira Rio, deve consultar urgentemente um pneumologista. Nota 2,0.  

Odivan – Lembrou aquele defensor de despontou no Vasco na segunda metade da década passada: inseguro e salvo constantemente pelos companheiros de zaga. Expulso por mandar Tardelli pro cu do Conde. Nota: 1,8.

 

Que saudade, hein, O divã?

Que saudade, hein, Ô divã?!

 

Rodrigão – O melhor zagueiro matogrossense. O que não quer dizer lá grande coisa. Nota: 2,5

Richard – Percorreu a faixa direita de campo com uma velocidade espantosa, mesmo para um ala direita. Uma pena não estar com a bola quando o fez. Nota: 2,1.   

Rocha – Mais preocupado em procurar as câmeras quando desarmava o chiliquento e préadolescente camisa 10 colorado. Nota: 1,9.

Wender – Contribuiu com boas trocas de passe com Jonas. Obviamente o nome de jogador de handebol de seleção alemã não ajuda. Nota: 2,3.

Jonas – Jogador mais lúcido na partida. Responsável pela ciranda cirandinha que provocou silêncios constrangedores nos colorados no primeiro tempo. Nota: 3, 0. 

Maciel – Acha que é o Roberto Carlos. Quando conscientizar-se de que é o Rubens Cardoso, será útil para a equipe. Nota: 2,7.

Clodoaldo –  Depois de aparecer para o sul do Brasil acertando a trave do goleiro Lauro no jogo de ida, arranjou contrato com rede de cabeleireiros e ensaiou um corte inspirado em alguma espécie exótica do Pantanal. Nota: 1, 2

Diogo – Ficou no Salgado Filho, ora pegando um cinema, ora vendo os aviões irem e virem. Nota: 0,1.

Ataliba e Dilmar – Sem nota.

 

Foto: site da CBF.

 

Guilherme

Anúncios

Read Full Post »