Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘INdio’

Em meados de 1991 – antes do GFPA cair para a divisão de acesso -, lembro de chegar em casa, carregando o caderno cheio de orelhas, com no mínimo duas folhas e meia de tema de casa. Preencher dezenas de Eva-viu-a-uva, quando se tem apenas sete anos é um tanto cansativo. Mas sempre fazia. Era minha obrigação. Entretanto, nunca consegui uma grafia que me orgulhasse. Apenas garranchos em cima de garranchos, cumprindo somente o necessário para ganhar um visto da professora. E foi assim, se arrastando, que o Inter garantiu a classificação em cima do União Rondonópolis, na noite de quarta-feira.

Há tempos não via um futebol tão medíocre no Beira-Rio. O primeiro tempo foi traumático para os pouco mais de 20 mil torcedores que, confiantes, esperavam no minimo, uns 5 a 0. A equipe de Tite mostrou-se afoita, apreensiva e sem qualidade tática para enfrentar um time sem expressão nenhuma no esporte – fazendo um comparativo com automobilismo, poderíamos lembrar do japonês da F1, Nakano, que nunca almejará ganhar nada como profissional.

 

Pastor Tite perscruta ovelhinhas na lida

Pastor Tite perscruta ovelhinhas na lida

 

E, pasmem. O Inter teve extrema dificuldade para assinalar seus gols e garantir a classificação no tempo normal. Novamente de bola parada, o artilheiro zagueiro Índio marcou, e Alecsandro, confirmou a vitória.

Parada dura. Ah, se todo jogo fosse Gre-Nal…

Entre os torcedores, muita festa para uma classificação que parecia óbvia antes da bola rolar. E o mais curioso é que, se não fosse o Lauro, no final do jogo, os visitantes teriam colocado água no nosso chopp.

E aí?

Confesso que tenho medo da maldição do Centenário. Temos um plantel de causar inveja a muitos times sul-americanos, mas algumas partidas nos deixam com os dois pés atrás. Por sorte, o próximo adversário é o Guarani, de Campinas, que, ultimamente, não ganha de ninguém.

Apesar da classificação, há mais de ano que não saía tão decepcionado com a atuação do Colorado.

E cada vez mais me convenço que Tite está longe de ser uma unanimidade no Beira-Rio.

 

Foto: Lance.net

 

Fabio

Anúncios

Read Full Post »

E ele insiste no 3-6-1

E ele insiste no 3-6-1

 O Grêmio perder a Taça Fernando Carvalho no último domingo, no Beira-Rio, foi um resultado normal. Até esperado. Venceu o time que tinha a melhor campanha, melhor ataque, melhor defesa e artilheiro da competição. O que chamou a atenção, no entanto, foi a postura acovardada do cavalo paraguaio Celso Roth. (3-6-1 eu usava quando treinava times de quarta divisão e iria jogar contra um time da primeira, pela TAÇA, no Elifoot).

Mas, deixo o Grêmio para o outro colunista do TFC, que tem mais autoridade para tecer seus comentários.

Vou apenas listar alguns tópicos que percebi na consistente vitória colorada, por 2 a 1, gols de Índio e Magrão.

  • Com a saída de Alex, o Inter ficou sem cobrador de faltas; D’Alessandro não jogou, tudo bem, mas tem que treinar muito ainda chutes de bola parada;
  • Kleber, que estava mais ou menos, mostrou que tem potencial e deverá melhorar nos próximos jogos;
  • Pra mim, no lance do gol do Grêmio, o Lauro peruziô.
  • Andrezinho foi esforçado e colaborou com o grupo.
  • Guina foi o Guina dos velhos tempos, raçudo, Colorado.
  • Nilmar se movimentou bem e perdeu os gols que sempre perde.
  • O Zagueiro artilheiro Indio meteu uma buxa, com grandiosa colaboração do sistema defensivo do Grêmio.
  • E o Magrão, contestado por muitos colorados, marcou o gol do título.
  • Em nível de curiosidade, o Inter está invicto a seis Gre-Nais; venceu os três últimos marcando 8 gols, sofrendo apenas 3. Vencer o Grêmio de Roth, virou rothina.

 

Agora, na quarta-feira, 4, o Inter busca a classificação frente ao fortíssimo União Rondonópolis, no Estádio Beira-Rio.

 

 

Fabio

 

Foto: Marcos Arco Verde/Foto.com

Read Full Post »