Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Grafite’

O calendário de clubes europeu chegou ao final no último final de semana. Depois da chapuletada que o Barcelona sapecou para cima do Manchester, impedindo os Diabos de espalharem seu reinado sobre terras sagradas, Alemanha e Inglaterra conheceram os campeões de sua Copas, e um brasileiro cujas virtudes resumem-se à força e persistência, da família dos pincéis, foi aclamado Kaiser.

 

Tu pintas como eu pinto?  (By Fabio Araujo)

 

Grafite de lapiseira apontada

Grafite de lapiseira afiada

 

Pois na Alemanha, o Wolfsburg fez-se lapiseira bem apontada e, diferente de Deus, escreveu certo em linha reta, com um Grafite originário daqui. Aquele mesmo que, numa contenda da Libertadores entre São Paulo e Quilmes, foi chamado de tudo, menos de afrobrasileiro pelo zagueiro e ariano De Sábato. O atacante maculou por alucinantes 28 vezes as metas de goleiros adversários, contribuindo à vera para seu time chegar ao título da Bundesliga.

 

Além de Grafite, o treinador Felix Magath e o companheiro de ataque do brasileiro, o eslovaco Edin Dzeko, dividem os méritos e honrarias pela campanha surpreendente e vitoriosa, desbancando o milionário e estrelado Bayern, de Munique.

 

Já na Copa, Diego alcançou os louros da remissão com o título para o Werder Bremen em sua despedida. O brasileiro que estará em campos italianos e defendendo a Juventus na próxima temporada, criou a jogada que terminou no solitário gol de Ozil.

 

O Werder levantou sobre os ombros a sexta Copa e conseguiu secar algumas das lágrimas derramadas pela derrota na final da Copa da Uefa, recentemente.

 

Uma senhora enxuta. Um time confortado

 

 

O Chelsea foi o único inglês com motivos para comemorar neste final de labuta. Arsenal e Liverpool terminaram o ano de mãos vazias. Enquanto o Manchester, apesar de ser o bi-campeão nacional, ainda lambe feridas de cicatrização demorada pela derrota na Champions League.

 

Os Blues não tem nada com isso, e fizeram o que todo time grande deve fazer com um pequeno, na final da 75ª Copa da Inglaterra: vencer. O resultado foi humilde, 2 a 1, mas serviu para que Guus Hiddink, técnico que assumiu a peronha após a saída de Felipão, se despedisse com uma conquista.

 

Os gols do título foram marcados por Drogba e Lampard. O francês Saha, ex-Manchester, descontou para o Everton.

 

A dona de casa veste azul e preto

 

A dona de casa da Bota

A dona de casa da Bota

 

A Inter já havia feito seu papel de senhora do lar, competente no labor doméstico, sábia de cada palmo de sua casa, mas de reconhecida dificuldade quando se arrisca em investidas pelas ruas desse mundo inseguro que é o exterior. Já era campeã italiana pela quarta vez consecutiva, ainda que de fracassos recorrentes na Liga dos Campeões.

 

A última partida do Calccio, contra a Atalanta, serviu apenas para que o título adquirisse um gosto mais saboroso. O confronto caminhou com passos frenéticos e alternâncias no placar. A certa altura, já naquele últimos vinte minutos de sopa morna e insossa, e com 3 a 2 para a Atalanta, parecia que o ano acabaria com um revés, e em casa. Então Mourinho lançou a campo o brasileiro Maicon, que voltava de lesão, e a revelação Balotteli.

 

Logo o placar era invertido novamente, e de maneira definitiva. O empate chegou com Cambiasso, depois de um entrevero na pequena área da Atalanta. E a virada saiu dos pés do dono do time, o sueco Ibrahimovic, num calcanhar desengonçado e faltoso.

 

 

O que resta na bota são algumas especulações: a saída de Kaká para o Real e de Ibra para o Barça; e apenas duas certezas: a confirmação de Leonardo como técnico no Milan, e a chegada de Diego na meia cancha de Juve.

 

Fotos: Grafite: colunas.gazetaweb.globo.com; Inter campeã: espn.com.br.

 

Guilherme

Anúncios

Read Full Post »