Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Final da Libertadores’

São sete títulos continentais espalhados por um gramado de 80 anos. É mais do que isso. São duas conquistas olímpicas num tempo remoto e quase inverossímil sem Copas do Mundo, num tempo quando o campeão olímpico era o campeão do mundo. Mas é ainda mais. São cinco Copas, mais de vinte Libertadores e catorze mundiais de clubes. É Santos e Peñarol, uma final repetida quase 50 anos depois. Mas é, sobretudo, Brasil contra Uruguai. E não adianta Galvão Bueno ou qualquer outro membro da imprensa sudestina bradar nacionalismo, não adiantam o talento de Neymar ou a competência de Muricylha. Pela raça inimitável, pela crise financeira interminável, pela decadência insolúvel, por 24 anos sem La Copa: é uma questão de dignidade torcer pelo Peñarol nesta final.

 

Club Atlético Peñarol

A incredulidade de quem respeita uma final de Copa

O Peñarol é o terceiro clube mais vencedor da Libertadores. São cinco títulos, outras tantas finais. Em tempos de vitórias, nos anos de conquistas consecutivas, essas taças expostas numa estante servem para intimidar o adversário, demonstrar grandeza. Quando se passa 24 anos sem sequer cogitar repetir parte daqueles feitos, o dourado e a prata dos troféus desbotam, os atletas vencedores morrem, os títulos transformam-se em fantasmas inatingíveis.

Foi preciso que Diego Aguirre, um dos remanescentes do último triunfo continental em 1987, regressasse, agora como treinador, para exorcizar os espectros que povoam todo imaginário de um clube sem taças importantes há muito tempo. No ano passado, comandou a equipe na conquista do Clausura. Neste ano, depois de ausentar-se e ver que, diferente de outros tempos, era o Peñarol quem mais precisava dele e não o contrário, voltou a Las Acácias para recolocar os aurinegros novamente no rumo das vitórias.

Depois de uma primeira fase irregular, justificada pela presença num dos grupos mais equilibrados de La Copa – na companhia de LDU, Independiente e Godoy Cruz –, os uruguaios voltaram a forjar o futebol de passes atribulados, balões intencionais e cruzamentos ladinos que identifica há quase um século as principais conquistas de seu país e levou a Celeste Olímpica ao quarto lugar na Copa da África.

Inter, Católica e Vélez já foram exorcizados por Aguirre, juntamente com os mesmos fantasmas do passado. O Santos pode ser o próximo.

 

Santos Futebol Clube

Eles não merecem. Mas eles devem vencer

O Santos, ao contrário do adversário portenho, é um clube acostumado com títulos na última década. Foram dois Brasileiros e uma Copa do Brasil. O vice da Libertadores em 2003, no fim do sonho ingênuo e feliz que Robinho e Diego engendraram até encontrarem o Boca de Tevez e Schiavi, é ferida que somente cicatrizará com a vitória dessa geração ainda mais talentosa, sobretudo pelos pés de Neymar e Ganso.

O Curioso é que, assim como o Peñarol, os santistas trilharam um caminho pedregoso no início de La Copa. Os pontos foram minguados nos primeiros jogos,  Adilson Baptista fracassou pela segunda vez consecutiva no estado de São Paulo e outros problemas, como repartir Neymar com a Seleção Sub-20, as lesões de Ganso, Elano e Johnatan, alertaram a diretoria que a demissão de Muricylha do Flu configurava-se num bálsamo divino.

O amigo de Vagner Martins emprestou seu quinhão ao Feitiço da Vila, desafrescurou o time, empilhou de volantes a intermediária quando o jogo recomendava parcimônia defensiva, não teve medo de imitar Felipão e Celso Roth e corrigiu os equívocos ofensivistas que lhe custaram a Líber de 2006, deixando o América mexicano, Once Caldas e Cerro Porteño, respectivamente, nas covas do mata mata. Resta saber se essa comunhão de talento e casmurrice é suficiente para suplantar a mística aurinegra. A noite de hoje começa a nos dar a resposta.

 

PEÑAROL   X   SANTOS  (Estádio Centenário, 21h50min / Montevideu, Uruguai)

 

Guilherme Lessa Bica

Anúncios

Read Full Post »