Feeds:
Posts
Comentários

Archive for agosto \31\UTC 2009

André Lima tenta intimidar imitando Silvester Stalone

André Lima tenta intimidar Rafa Marques imitando Silvester Stalone

 

Mesmo com um time melhor, num estádio neutro, diante de um adversário de forças e futebol módicos, cuja morada costumeira é o Mangue da zona de rebaixamento; mesmo com gol sobrenatural de Jonas, mesmo que tenha tomado a dianteira do placar num momento adiantado e decisivo do jogo, mesmo com as duas mãos, os dois pés e os vinte dedos de Rodrigo Cintra, o árbitro, alijando as nádegas botafoguenses com erros clamorosos, mesmo assim o Grêmio não passou de um empate no Engenhão.

 

E se o deus do futebol, um velhinho sacana, irmão bastardo do pai de Cristo e de todos nós, tivesse algum caráter, permitiria a virada aos alvinegros no final do jogo. Porque o que se viu desde que o primeiro silvo deixou a boca de Cintra na tardinha carioca de ontem, foi o Grêmio mimetizar dramaticamente os movimentos constrangedores que promove longe do Olímpico desde as primeiras rodadas.

 

Tcheco e Souza, figuras imponentes e sóbrias diante de sua torcida, transformam-se em velhinhas matriarcas que outorgam para si o destino de suas famílias, mas não movem uma palha para tanto, e ainda impedem a iniciativa de membros mais novos. Tulio, aquela avó precoce que vestiu a camisa 4, completou o triângulo de latifundiários que reduzem a meia cancha gremista a um terreno improdutivo em outros estados. Restou a Adílson tentar um protagonismo vedado por sua natural imaturidade.

 

Ainda assim, a despeito de todas essas barbaridades, o Grêmio vencia. Com dois gols de Jonas, e um terceiro de autoria mútua de Souza e Réver, Autuori sacava esse sapo de pés frios e papo vermelho que o acompanha quando deixa o Salgado Filho de dentro da mala, juntava uma marreta e sentava a mão para ferir mortalmente o tabu de vitórias fora. Mas o próprio treinador cavaria com zelo sua cova. Aos 30 minutos da etapa derradeira, retirou o melhor jogador do time, o que não era lá grande coisa, mas ainda o melhor, Jonas, e lançou Makelelê. Ali todos os gremistas, todos os colorados, todos os botafoguenses, inclusive, sabiam que o 3 a 3 sairia. Para acrescentar uma colherada, não, uma concha de feijão de ironia, o mesmo velhinho sem caráter que manipulou Cintra na garfada ao Botafogo, levou Leandro Guerreiro, aquele volante vacilante que nasceu vermelho, acertar um chute inominável, ainda que com desvio, no ângulo de Victor, decretando a igualdade final.

 

Iarley na ponta dps pés

Iarley equilibra-se na ponta dos pés para aparecer na foto

 

Já no Beira Rio, um ídolo encontrou seu crepúsculo e uma torcida, a redenção. Os 4 a 0 do Inter sobre o Goiás encarnam proporções muito maiores que a dança de colocações no topo da tabela. Os torcedores colorados livraram-se finalmente daquela bruma de interrogações que se arrastou desde a ida de Fernandão para o centro-oeste e as acusações mútuas entre ele e Fernando Carvalho, agravadas pelas oscilações do time de Tite no Brasileiro. Pelo menos até quarta-feira, e com razões claras e inequívocas, Fernando Carvalho estava certo.

 

É claro que num placar tão dilatado e nulo para o adversário pululam destaques na equipe vencedora. Mas um jogador, em especial, desfilou o fino da bola: Kléber. O lateral pouco lembrava aquela figura apática e triste de outrora, que chegou a ser contestada no Beira Rio e perdeu espaço no coração de Dunga. Ontem, Kléber cumpriu seus deveres de marcação com autoridade, mas assumiu de forma enfática a articulação do time, arriscando lançamentos e os acertando com maestria, arrematando pataços indolentes, distribuindo assistências e sendo premiado com uma bucha. Ainda houve a malícia da canhota de Marquinhos, a lucidez de Giuliano, o esforço de Edu, a liderança de Guiñazu. Enfim, vencendo o Galo na quarta, o Inter regressa seriamente à briga pelo título.

 

Confere aqui como está teu time na Tabela. E aqui os resultados da rodada.

 

Guilherme Lessa Bica

Read Full Post »

Hooligans "lights"

Hooligans "lights"

 

Uma das surpresas deste embrião de temporada no Idoso Continente atende pelo apelido de “Spurs”. Como o assunto aqui no Tisser não é o esporte da bola laranja, os Spurs de San Antonio ficam para outro momento.

 

O norte – londrino Tottenham Hotspur tem este apelido em função do seu mascote, um galo. Portanto, os “esporas”! O que esta informação agrega ao leitor? Pois é…

 

O tradicional clube, fundado em 1884 por enfurecidos jogadores de cricket, ganhou espaço na mídia nos últimos dias pela incrível arrancada na Premier League. Três partidas, três vitórias. A última vez que o Tottenham arrancou tão bem no campeonato inglês sagrou-se campeão. E isto ocorreu na longínqua temporada 60/61. Deste trio de resultados positivos, dois chamam atenção: o triunfo de virada por 2 a 1, contra o West Ham fora de casa, e a estréia, em casa (o histórico White Hart Lane), contra o gigante e candidato ao título Liverpool. 2 a 1 com direito a golaço do lateral esquerdo francês Benoit Assou –Ekotto.

 

Além da bela arrancada, o time inglês ultimamente está constantemente no noticiário esportivo gaudério. Sandro, volante classudo de 20 anos e forjado na base da Padre Cacique, despertou o interesse dos sóbrios dirigentes britânicos. 15 milhas (em euros) é a suposta proposta. COICIDENTEMENTE o Anão-Em-Chefe da Seleção Brasileirinha chamou o guri para substituir o contundido, insípido e inodoro Josué nos próximos jogos das eliminatórias.

 

Enfim. O interesse do Tottenham é pertinente, já que do meio e adiante seu elenco já é muito qualificado. Falta a tal da CONSISTÊNCIA DEFENSIVA, coisa que está para o futebol gaúcho como a velocidade está para o futebol africano.

 

A lista de atacantes bons (ou de nome) dos Spurs impressiona. Jermaine Defoe é o 9 titular. Rápido, oportunista, forte e matreiro, o avante nunca se firmou na seleção ou em times maiores em função de seguidas lesões (ou das loucuras dos Coach’s). Com Capello está tendo chances no English Team e correspondendo. Um dos problemas do rapaz é que parece ser meio introvertido demais. Nesse futebol marqueteiro, atacantes inferiores mas com potencial de mídia acabam se destacando.

 

Seu camarada no ataque é o irmão menos talentoso da família irlandesa dos Keane. Robbie Keane vagou por uma longa e tenebrosa estrada na terra dos Beatles, não vingou e voltou para Londres, onde é capitão, dono das camisas, da bola e responsável pelo horário semanal na quadra.

 

Não contentes com esta dupla titular de respeito, na suplência estão dois jogadores que tem gravado em seu registro profissional a inscrição CENTROAVANTE. O meio alienígena / meio vara de pescar Peter Crouch (saiu do decadente Portsmouth e também faz parte do grupo de Fábio Capello na seleção), e o tanque da seleção russa Roman Pavlyuchenko (melhor nome de jogador do futebol atual). Depois da saída conturbada do ex-ídolo búlgaro Dimitar Berbatov do time, para o Manchester United, os caras resolveram investir pesado no ataque! Tanto que contrataram a jovem revelação mexicana do Barcelona, Giovani dos Santos por 6 milhões de euros. Adaptação e comportamento complicados levaram o piá ao modesto Ipswich Town, por empréstimo. Nesta temporada pode ser uma arma para mudar jogos encardidos.

 

Beleza e perna esquerda são fundamentais

Beleza e perna esquerda são fundamentais

 

Municiando estes malucos com sangue nos olhos para fazer gols, estão dois dos melhores meias ofensivos da Liga Inglesa. Pela direita, uma das esperanças dos súditos da rainha para conquistar o bicampeonato mundial (ao lado de Theo Walcott e Wayne Ronney, pra citar os mais jovens), Aaron Lennon, 22 anos. Já pela esquerda, um jogador quase perfeito. O croata Luka Modrić, 24 anos, revelado pelo Dínamo Zagreb, tem a habilidade dos jogadores do leste europeu (como bom ex-Iugoslavo, considerados os brasileiros da Europa), senso de marcação, jogadas verticais e diagonais, além de um potente chute de média distância e lançamentos precisos. Típico caso de jogador sem mídia, mas com mais bola que muitos medalhões por aí. Como era o Bielo-Russo Hleb no Arsenal, hoje no Stuttgart. Quando transferiu-se pro Barcelona, era necessário imposição de personalidade. Aí a coisa complica. Modrić é titular e um dos principais jogadores da seleção da camiseta toalha de mesa. Completando o meio os volantes Boateng e Palacios. Sandro jogaria na vaga do Boateng fácil, alçando o Tottenham à candidato sério para a Champions League da próxima temporada.

 

Ps.: O goleiro titular dos Spurs é o brasileiro (Cruzeiro, PSV, Seleção) Gomes, alternando atuações monumentais e frangos vergonhosos. Carlo Cudicini, goleiro italiano que estava no banco do Chelsea será a sombra do arqueiro verde e amarelo nesta temporada. Reparem na foto como o uniforme é parecido com o do Victor, do Grêmio. “Bonito” como toda linha de uniformes que a Puma desenvolveu, com aquelas “asas” diagonais.

 

Padronização da tosquice

Padronização da tosquice

 

Ps. 2: Amanhã, para quem tem oportunidade de ver os canais por assinatura ESPN e ESPN Brasil, três jogos imperdíveis:

 

¬ 13:15 Manchester United e Arsenal. Clássico equilibrado, com dois times leves e que privilegiam o ataque. Teste de fogo para o jovem time de Wenger, que ano passado não teve sorte nos clássicos na Liga. Uma derrota pode colocar o ótimo trabalho do começo da temporada em dúvida. Para os Devils, uma oportunidade para mostrar que seguem como principal força da Inglaterra. Torço pro Arsenal fortemente neste jogo, 3 a 1 Gunners.

 

¬ 15:30 Bayern de Munique e Wolfsburg. O gigante Bávaro contra o campeão da montadora! Grafite e sua trupe tentam um inusitado bicampeonato numa das ligas mais disputadas do mundo. Isso quando o Bayern deixa… Louis Van Gaal aposta em Olic e Mário Gomes no comando do ataque. Jogo decisivo já nas primeiras rodadas. Aposto no Bayern, mais pela camiseta do que por qualquer outro motivo. 2 a 0 com gol do Lahm, melhor lateral do mundo hoje.

 

¬ 15:30 Inter de Milão e Milan. O clássico de Milão, já na segunda rodada! Pato e Ronaldinho tentando provar que podem levar este Milan reformulado à vôos mais altos. Eto’o contra a desconfiança, sempre. O que pode pesar num jogo desta magnitude é a experiência dos donos da casamata: Leonardo é um novato, contra o sagaz e ovelheiro José Mourinho. Ainda assim aposto num empate com gols, 1 a 1 movimentado.

 

Felipe Conti é colorado, gaúcho, canoense, goleiro, esquerdista, aspirante a jornalista. Nascido para ser do contra, desde março de 86. Escreve costumeiramente no Grenalzito e é titular das sextas aqui do Tisserand.

Read Full Post »

Cabeça de Fábio é engolida por traseiro adversário

Cabeça de Fábio é subitamente engolida por traseiro adversário

Read Full Post »

Giuluano Matos / Gazeta Press

 

A Sulamericana, aquela competição infame que estragou o final de ano de todos nós gremistas no limiar do verão passado e postergou a consagração de Sebastian Verón para a Libertadores deste ano, começa a definir seus verdadeiros postulantes, encaminhando os dezesseis times das oitavas de final.

 

Na noite de ontem, o Coritiba escalou a escada asceta e pedregosa que leva ao paraíso da remissão quando igualou os 2 a 0 sofridos para o Vitória no jogo de ida. Ney Franco já projetava a recuperação no Campeonato Brasileiro, embalado em sonhos densos de triunfos do Coxa em campos internacionais, fazia planos para o futuro, uma casa no litoral, talvez, por que não?, exorcizava os demônios do pessimismo com os gols de Marcelinho Paraíba e Renatinho e marchava confiante para os pênaltis.

 

Mas esquecera de chamar o zagueiro Gessy para um bate papo amigo, convencê-lo de fazer a cobrança da penalidade como todo defensor honrado deve, uma marretada digna exatamente no meio do gol, infalível. Gessy não o fez, deslocou o goleiro como se fosse um Souza, um D’Alessandro, e jogou a bola e as esperanças do Coritiba para a sarjeta. O Vitória, cuja classificação confirma o reerguimento ameaçado no brasileiro desde que Vagner Mancini reassumiu, aguarda a definição do amalucado confronto entre o boliviano Blooming e o uruguaio e cover River Plate. O primeiro confronto encerrou-se com apenas 45 minutos, em virtude da invasão e agressão promovida por um torcedor da Bolívia num atleta do River, quando o placar era de 1 a 0 para os forasteiros.

 

Outra peleja ardida e controversa ocorreu no Estádio Defensores del Chaco, em Assunção – para os não iniciados na leitura de mapas e demais artes georgráficas, capital paraguaia. Pois a abençoada LDU, consagrada recentemente quando adonou-se da Recopa Sulamericana, fez valer o 1 a o sobre o Libertad no jogo de ida e fatiou o empate em um gol, suficiente para avançar.

 

Os paraguaios, que já travam diálogos nada amistosos com o governo brasileiro pela pendenga com Itaipu, somaram a esse imbróglio mais um desentendimento diplomático, indignados com dois gols anulados no final da partida pelo árbitro brazuca Paulo César Oliveira. Ainda assim, o olho indiscreto e fofoqueiro das câmeras televisivas desmentem as suspeitas guaranis e confirmam o acerto do juiz canarinho.

 

A Liga espera por River Plate, o verdadeiro, e Lanús, que venceu a primeira partida, em território inimigo, o Monumental de Nuñez, pelo placar de 1 a 2.

 

O Inter, como atual campeão, não participou da primeira fase, e enfrenta a Universidad, de Chile, nas oitavas, a mesma equipe que integrou o grupo do Grêmio na Libertadores deste ano.

 

Jogos de Hoje

Atlético MG x Goiás

Flamengo x Fluminense

Rver Plate (URU) x Blooming

 

Guilherme Lessa Bica

Read Full Post »

Obs(cenas)

Um esporte de Contato...

Um esporte de Contato...

Read Full Post »

“Dá raiva ouvir discursos pilhéricos de uma venda por ano, eu sei; assim como tu não aguenta mais ouvir em buscar o equilíbrio nesse desequilibrado elenco colorado; irritante, revoltante e outros tantos antes, mas é o que temos no momento. Abandonar um título que está logo ali, beira a galhofa. Desistir, não faz parte do vocabulário vermelho. Lembro até hoje de uma obra de arte em um Centro Cultural da Capital que dizia assim: No momento em que desistimos, abstemos da vida. Sobrevivemos como insetos: medíocres, insignificantes; em suma, jazindo nessa imensidão chamado terra, como um coco que boia no açude.”

 

Fabio Araujo migra da quinta para a terça do Arena Vermelha convocando os colorados a acreditarem no Tetra. É só clicar aqui.

Read Full Post »

Antes do caro leitor pensar que estou falando da badalada divisão de acesso a elite do futebol nacional – a qual, já rendeu o histórico DVD dos Aflitos -, adianto que este é um post Regional. Bairrista, ao estilo gaudério. No último domingo, 23, ocorreu a Final da Segundona Gaúcha entre Porto Alegre e Pelotas, no Campo do Lami, na Capital do Estado. O jogo em si, enfadonho. Mas o engraçado de ver, eu diria, foi a conduta bisonha da Federação Gaúcha de Futebol, na cerimônia de entrega de medalhas.

 

As Equipes

O Porto Alegre, – time do saudoso Assis, empresário da noite e irmão do Ronaldinho Gaúcho – jogava pelo empate para ficar com o título da Competição. E a equipe, de apenas três anos de existência, contava no seu elenco com o super craque Adão, especialista em marcar gols nos coletivos do Grêmio.

 

O adversário, o Lobo da Zona Sul do Estado, levava a campo o Manto Centenário Amarelo Manga, buscando a vitória para ficar com o Caneco. A experiência, o carro chefe do Pelotas, era liderada pelo tarimbado Sandro Sotili.

 

Em suma, um jogo que prometia, há de convir. Por isso, deixei de lado a partida do Corinthians no Brasileirinhas 09, para assistir a Batalha do Lami.

 

A Batalha do Lami

A gana pela vitória, a vontade de buscar o título era algo indescritível. Atletas suando a camisa com seus salários medianos, guerreando como farrapos, mostrando raça e um ímpeto que não vemos em atletas milionários da Dupla Gre-Nal e…

 

Não. Esquece tudo. Estaria sendo mentiroso contigo. Na verdade, foi um jogo murrinha.

 

O Pelotas, totalmente sem vontade, não conseguia criar jogada alguma e, tampouco se importava com isso. O caneco, de certeza, era segundo plano. Como já haviam garantido o acesso a séria A do Gauchão, largaram de mão. Azar é do Goleiro. Roger, por sinal, teve uma boa atuação, apesar de ter falhado no primeiro gol. Sotilli vivendo o seu momento de Andorinha, não conseguiu fazer verão. Longe disso, até.

 

O Porto Alegre com toque de bola um pouco mais apurado, conseguia criar algumas oportunidades de gol. O Adão perdeu o gol mais feito do ano, e creditou o seu erro ao mérito do goleiro. Em entrevista a TV COM, despistou:

 

"Eu cheguei chapando, e chapei. Mas não deu, parabéns pro goleiro"

"Eu cheguei chapando, e chapei. Mas não deu, parabéns pro goleiro"

 

O primeiro gol marcado pelo Porto Alegre, foi de Gabriel Davis, que arrancou sorrisos tímidos da Dona Miguelina, que se conteve a um aplauso de final de formatura, para felicitar o tento do time de seu filho.

 

Na segunda etapa, Tuta, eternizado no coração dos gremistas, entrou e sacramentou a vitória nos minutos finais da partida: 2 a 0. Merecia mais, bem da verdade. Apesar de ser um clube novo, Assis montou um time mais ou menos e em 2010 talvez consiga permanecer na primeira.

 

A Federação

O ponto alto da tarde, sem dúvida, a entrega de medalhas. Uma mesa, estilo de churrasqueada, foi colocada no meio do campo. Os jogadores se aglomeram em volta, sem saber o que fazer. Após minutos de uns olhando pros outros, as medalhas foram entregues. De uma forma um pouco diferente, eu diria.

 

O aceitável seria o dirigente chegar ao atleta e…

 

– Parabéns, campeão (o atleta curva a cabeça, cumprimenta o dirigente e recebe a medalha). Algo bem simples.

 

Mas não. As medalhas foram entregues todas de uma vez. Num montinho. Isso mesmo, como um bando de cacetinhos dentro de um saco de pão. E pronto. Largaram o troféu na mão do capitão e tava pelada a Coruja.

 

Desrespeito com os atletas, torcidas e o futebol Gaúcho. Até no Itapuí, que trabalhei há alguns anos, a entrega de medalhas era mais profissional. Uma pena, o desleixo com a Segundona.

 

Escalações

Porto Alegre – Marasca; Jackson, Rodrigo Santos, André e Cristiano; Caio, Gabriel Davis (Michel Moraes), Dê e Thiago Corrêa (Tuta); Adão e Hyantony (Douglas). Técnico: Lisca.

Pelotas – Roger; Deivid (Mateus), Cirilo, Rafael Lopes e Xaro; Tiago Rocha, Dauri (Tiago Duarte), Carlos Alberto e Maicon Sapucaia; Sandro Sotilli e Ânderson Ijuí. Técnico: Beto Almeida.

 

Fabio Araujo

Read Full Post »

Older Posts »